Apresentação

De acordo com o artigo 11 da Lei 10.861/04, cada instituição de ensino superior, pública ou privada, deve constituir a Comissão Própria de Avaliação – CPA. Suas atribuições contemplam a condução dos processos de avaliação interna da instituição, da sistematização e da prestação das informações, por meio de relatórios, à comunidade acadêmica – corpo docente, discente, técnico-administrativo e à comunidade. A CPA foi instituída pelo SINAES – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Seu objetivo é o de assegurar o processo nacional de avaliação das instituições de educação superior, dos cursos de graduação e do desempenho acadêmico dos estudantes.

A CPA da Faculdade Bezerra de Araújo – FABA, utiliza os instrumentos de avaliação (questionários) para avaliar a infra-estrutura e a qualidade no atendimento do corpo docente e técnico-administrativo. As avaliações são realizadas a cada semestre e servem de parâmetros para estabelecer estratégias de melhoria no atendimento dos alunos e de toda a comunidade.

Auto-Avaliação

De acordo com o artigo 3 da Lei 10.861/04, a avaliação das instituições de educação superior deverá contemplar no seu processo avaliativo interno as dez dimensões seguintes:

I – A missão e o plano de desenvolvimento institucional.
II – A política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas formas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de pesquisa, de monitoria e demais modalidades.
III – A responsabilidade social da instituição, considerada especialmente no que se refere à sua contribuição em relação à inclusão social, ao desenvolvimento econômico e social, à defesa do meio ambiente, da memória cultural, da produção artística e do patrimônio cultural.
IV – A comunicação com a sociedade.
V – As políticas de pessoal, as carreiras do corpo docente e do corpo técnico-administrativo, seu aperfeiçoamento, desenvolvimento profissional e suas condições de trabalho.
VI – Organização e gestão da instituição, especialmente o funcionamento e representatividade dos colegiados, sua independência e autonomia na relação com a mantenedora, e a participação dos segmentos da comunidade universitária nos processos decisórios.
VII – Infra-estrutura física, especialmente a de ensino e de pesquisa, biblioteca, recursos de informação e comunicação.
VIII – Planejamento e avaliação, especialmente os processos, resultados e eficácia da auto-avaliação institucional.
IX – Políticas de atendimento aos estudantes.
X – Sustentabilidade financeira, tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da educação superior.

Componentes

TANIA LYRIO – Representante Corpo Técnico Administrativo
FATIMA COSTA SARMENTO – Representante Corpo Técnico Administrativo
FABIANA DIAS DE ARAUJO – Representante Corpo Técnico Administrativo
ANGELI ESPINHA CARDOSO – Representante Corpo Técnico Administrativo
NÍVEA CARLA TAVARES BARBOSA – Representante Docente (Coordenador)
ÉRICA VELLOSO PENNAFORTE – Representante Docente
CRISTIANE DE ALBUQUERQUE MELLO – Representante Docente
CARLA SOUZA DE OLIVEIRA – Representante Discente
AGATHA DE SOUZA DE LIMA – Representante Discente
VIVIANI LOPES DA SILVA SARANDY – Representante Discente
PAULO MURILO DE PAIVA – Representante da Sociedade Civil

Melhorias

-Ampliação do espaço de convivência;
-Readequação das coordenações em salas ampliadas;
-Ampliação do corpo técnico administrativo;
-Adequação do espaço para alimentação (corpo técnico administrativo);
-Instalação da tesouraria à rua Cariús;
-Intensificação da limpeza das instalações;
-Reposição contínua dos suprimentos e manutenção preventiva das instalações;
-Aquisição de novos livros;
-Solicitação da mudança do fluxo da rua Cariús, junto à Prefeitura, para sentido único do trânsito;
-Solicitação de vagas regularizadas (sistema de vaga certa), junto à Prefeitura;
-Solicitação de vagas para portadores de necessidades especiais e idosos junto à Prefeitura;
-Sinalização viária para maior segurança dos alunos.

Skip to content